Paulo Camelo

website

Em março eu decidi que queria aprender piano. Ainda tento entender o motivo. Começou com um vídeo do Serge Gainsbourg que recebi. Desse vídeo fui para um de Chopin, depois vi o canal da pianista Viktoriya Yermolyeva (maravilhosa), aí já era tarde.

Eu sei tocar outros instrumentos, violão, baixo e sei um pouco de teoria musical. Tive piano em casa até os 13 anos,mas nunca me interessei, gostava de encostar o violão no peito. Mas agora, depois de ter abandonado o caminho da música como quase profissional, vou me divertir aprendendo um instrumento do começo. Queria aprender alguma coisa que nunca havia feito antes e ter um desafio para o meu cérebro. Tocar piano foi minha escolha.

Meu Piano

Depois de uma grana extra, que chegou meio de surpresa, fiz o investimento. Comprei um piano digital, aulas online e aplicativos. Essa semana eu realmente comecei. E vos digo, não é fácil, mas é muito legal.

Minha meta é aprender em dois anos. Pelo menos para tocar minhas músicas preferidas e não enfiar a cabeça em um buraco com vergonha quando mostrar minha performance para os amigos. Organizei na minha agenda um tempo de 30 minutos a 1 hora diariamente. Mas como o piano está na sala, eu vez por outra brinco com ele.

E você, quando foi a última vez que aprendeu algo novo?

Dia conturbado. Esperei 2 horas pelo meu almoço. A sensação de esperar é mesmo uma das mais angustiantes. Eu desisti e fui comer num restaurante perto de casa.

A espera também foi o mote dos brasileiros hoje. Tudo apontava para as 17 horas, quando o prazo pra Lula da Silva se apresentasse para ser preso. A prisão de Lula não é uma simples prisão de alguém que cometeu um crime, é antes um ato político, que representa a vitória de um golpe de estado no Brasil.

Lula errou principalmente ao se cercar de hienas, de ceder aos abutres do capitalismo. Por essa aproximação, conseguiu governar com tranquilidade, fez o sistema financeiro, de agronegócios e empresarial bater recordes de lucro. Ao mesmo tempo tirou milhões de brasileiro da miséria absoluta, ampliou os direitos de cidadania e inclusão, expandiu as universidades e deu oportunidade de uma vida digna para muitos. No governo Lula, brasileiros puderam ver sua renda crescer e usufruir de direitos antes existentes só no papel.

Mas se tava bom para todo mundo, o que aconteceu? A elite e boa parte da classe média que se vê erroneamente como elite, não tolerou compartilhar avião com uma vendedora de cosméticos, não tolerou ver a filha de sua empregada frequentar a mesma universidade do seu filho, não tolerou ser obrigada a ouvir a voz de quem antes lhe servia de personagens para suas piadas humilhantes. E o mais irônico, muitos que ascenderam financeiramente por conta das suas políticas de inclusão, se acham hoje ricos, e agem como se fossem! Ou seja, mesmo fazendo um bom governo, Lula nunca agradou as elites e conservadores. Ele representa sim a esquerda brasileira, mas está longe de ser o comunista que os conservadores lhe atribuem.

O Brasil vive um triste momento da sua história. Correntes fascistas e conservadoras perderam a vergonha de se manifestar e tem até candidato para as eleições. Embora para eles, um governo militar seria melhor. Vocês podem imaginar uma manifestação pedindo ditadura, com faixas dizendo “Pelo direito de não ter direitos”? Pois esse absurdo acontece nos Brasil! São como os zumbis do The Walking Dead, mordendo quem encontram pela frente, vagando sem rumo pelas ruas, orquestrados por fake news e a ignorância de grupos fascistas de direita.

Por isso Lula é alvo. Porque ele representa, com todo seu populismo, as pessoas mais simples. Querem tirá-lo da disputa eleitoral para presidente. Tentam forjar uma democracia onde não há. Não tem absolutamente nada a ver com combate a corrupção, não há provas documentais de sua culpa. A quadrilha que deu o golpe, quer apenas perpetuar seu poder, apoiada por uma elite conservadora e milhões de zumbis cegos de ódio.

O futuro é incerto aqui, as 17 horas passou e Lula não se apresentou. Ele sabe que solto ou preso elegerá o próximo presidente. E espera... Só que eu tenho uma triste intuição que não vão permitir. O Brasil não vive mais uma democracia.

Entrei finalmente no Mastodon. Escolhi a instancia brazuca masto.donte.com.br. Chamou atenção as regras. É o que se espera de uma interação, seja online ou não, o que deve prevalecer é o respeito. Até agora não vi uma treta. Quase 1 dia e algumas interações. Estou me sentindo numa cidade nova. Aprendendo aos poucos. Me lembra quando cheguei no Multiply, as pessoas parecem disponíveis para lhe conhecer, trocar uma ideia. Parece muito com o Twitter, mas é diferente em muitos aspectos. Estou gostando, e, se compararmos ao Facebook, é como você estar numa clinica de recuperação. É essa rede que eu quero. Optar pelo Write.as também faz parte disso, uma imersão, explorar outra internet além daquelas das corporações e algoritmos. No início dá pra pensar que estamos entrando numa bolha, mas na verdade, é onde saímos dela.

Vamos começar a brincadeira. Eu criei um novo blog. Mais que isso, eu me tornei um usuário Pro no write.as! Então acho que vou me sentir mais instigado para escrever. O resto da brincadeira vai aparecer aos poucos. O próximo passo é configurar minha página oficial. Não que seja muita coisa, apenas um site pra chamar de seu, com domínio próprio e tals. Depois, entrar de vez no Mastedon e sair do Facebook. Vou contando por aqui.